Dicas para escolher o tênis de corrida certo

Quer estejamos pensando em começar a correr ou nos prepararmos para uma competição, a escolha do tênis de corrida não será algo trivial.

Uma escolha incorreta pode causar ferimentos ou prejudicar nossa eficiência de corrida. O tipo de piso, o terreno em que vamos correr ou a velocidade com que o fazemos devem ter impacto na decisão do nosso sapato perfeito.

Dicas para escolher o tênis de corrida certo

Para quem não está habituado aos termos de correr, uma palavra que é preciso saber é ‘largar’ . Defina a diferença de altura entre o calcanhar e o dedo do pé, para verificar a inclinação que o pé ficará.

A maioria dos calçados no mercado tem queda entre 0 e 13 mm.

Também é muito importante saber o que é o ‘superior’ , que usaremos várias vezes aqui. E esse termo engloba tudo o que está acima da planta do pé, tanto o que está em contato com o pé quanto com o exterior.

No tênis de corrida é um termo que é mais utilizado a cada dia e que geralmente é composto por uma malha respirável que permite uma boa ventilação do pé ao mesmo tempo que ajuda a torná-lo mais confortável para evitar atrito ou bolhas. E por isso é muito importante que seja feito de um material macio e levemente acolchoado, pois se formos muito amadores terão que suportar milhares de impactos contra o solo.

Embora essa faceta recaia fundamentalmente sobre a ‘entressola’ , que é a parte que fica entre a sola e a parte superior, e sua função é amortecer cada passo. E também nos impede de notar a dureza do piso ao mesmo tempo que nos dá estabilidade.

Veja também – Tênis Nike Air Jordan – Melhores Modelos para você

Terra onde vamos treinar

Obviamente, as características de um terreno urbano não são as mesmas de uma pista de corrida ou de uma montanha. O local onde corremos deve afetar as características dos sapatos que usamos:

  • Por cidade ou asfalto : almofadas macias vão nos agradar e não será necessário que a sola contenha aderência, pelo que podemos optar por modelos com tachas baixas (‘desenhos profundos’ na sola para melhorar a aderência) ou solas planas.
  • Para as montanhas ou terrenos acidentados : Esses modelos geralmente têm uma biqueira reforçada e folhas de proteção na sola para proteger contra impactos de objetos no solo. Para este tipo de terreno é fundamental que busquemos estabilidade em nossos calçados. Escolheremos um modelo que suporte bem o pé e com uma sola bem cravejada que permite uma boa aderência.
  • Nas pistas de atletismo : Se treinarmos profissionalmente e sempre em pista de corrida, vamos precisar de calçados com melhor aderência na sola (unhas). A escolha se concentrará em calçados bem leves, com sola intermediária bem fina e quase nenhum amortecimento.
  • De tudo um pouco! : Se nada disso nos convence porque queremos calçados polivalentes, podemos ir para opções com solado misto, com tachas de altura intermediária entre os modelos para asfalto e para montanha.

Ritmo e distâncias que percorremos

Dependendo das distâncias ou do ritmo com que corremos, podemos escolher entre diferentes tipos de calçado:

  • Calçado de treino : São os modelos mais pesados ​​(entre 300 e 500 gramas) mas são os mais confortáveis ​​para nós. São sapatos com muito amortecimento e estabilizadores. Eles são projetados para ritmos moderados (máximo 5 min / km) e têm uma vida longa (duram cerca de 1.000 km).
  • Sapatos de competição ou voadores : buscam leveza (em torno de 200 gramas) por isso têm pouco amortecimento. Não buscam conforto, mas sim dar agilidade ao já experiente corredor que consegue melhorar os 3:30 minutos por quilômetro marca. Esses sapatos têm uma vida útil mais curta (cerca de 400km).
  • Calçado intermédio : Se não temos experiência ou não atingimos velocidades de competição, é melhor usar calçado de treino para evitar lesões. E assim que melhorarmos nossas marcas e aperfeiçoarmos nossa técnica, podemos passar aos sapatos voadores sem risco de lesões.

Mesmo assim, temos calçados intermediários para treinos de no máximo 15 quilômetros, e ritmos entre 3:30 e 4:30 minutos por quilômetro. O amortecimento fica em algum lugar entre os tênis de treinamento e de competição. E eles duram cerca de 600 quilômetros.

Mesmo assim, temos calçados intermediários para treinos de no máximo 15 quilômetros, e ritmos entre 3:30 e 4:30 minutos por quilômetro. O amortecimento fica em algum lugar entre os tênis de treinamento e de competição. E eles duram cerca de 600 quilômetros.

A pegada ao correr

O modo como pisamos vai limitar muito o tipo de calçado que devemos usar. Escolher um calçado que se adapte à nossa pegada nos ajudará a melhorar o desempenho e prevenir lesões no joelho ou tendão.

E caso alguém não domine a questão, diga que quando falamos sobre como é a nossa pegada na corrida temos que levar em conta duas partes: onde costumamos pousar e onde costumamos colocar o ponto de apoio.

O desembarque pode ser, principalmente, de dois tipos:

  • Pelo calcanhar ( calcanhar ): Este tipo de queda requer calçado que proteja de impactos, principalmente no caso de corredores que sofrem de joelhos. Para eles procuraremos calçado com queda elevada (a partir de 7 mm no mínimo), e a sola deve ter amortecimento na região do retropé.
  • Com o antepé (parte central do pé): Este tipo de aterrissagem requer a utilização dos modelos mais flexíveis, com queda de cerca de 5mm. Procuraremos calçados com pouco amortecimento ou opções naturais de corrida.
  • Se já temos um determinado percurso nesta corrida, podemos ter a opção de calçado minimalista. São calçados com amortecimento e proteção mínimos, com muita flexibilidade para respeitar o movimento natural do pé na corrida.

ponto de apoio que usamos para correr também é muito importante , e dependendo do caso, vamos precisar de um calçado adaptado. Existem três tipos de suporte:

  • Se formos pronadores : Esses corredores tendem a virar o tornozelo excessivamente para dentro para absorver o impacto da queda. Portanto, vamos precisar de um sapato com estabilizadores (folhas finas com diferentes materiais e tecnologias que estão localizadas sob a sola). São sapatos com sola grossa e bom amortecimento que corrigem o excesso de pronação.
  • Se tivermos uma pegada neutra : Se nossa pegada for normal ou ligeiramente inclinada, podemos usar praticamente qualquer tipo de calçado. O ideal (no caso de não ultrapassar 80kg) será comprar um modelo com amortecimento neutro. Desta forma, não teremos a sensação de “afundar” a cada queda e teremos um amortecimento de acordo com os nossos passos.
  • Se formos supinadores : É o tipo de corredor menos frequente (menos de 5%), pelo que será difícil encontrarmos um calçado desenhado para nós. São corredores que giram o tornozelo para fora ao pisar nele. olho! Lembre-se de que, se o calçado se desgastar externamente, isso não significa que sejamos supinadores.
  • Se ainda assim verificamos que fazemos parte desses 5% dos supinadores, devemos apostar nos sapatos de sola intermediária macios e amortecimento neutro. Tentaremos também garantir que não contenha elementos de estabilização, mas contenha alta flexibilidade.

Peso corporal

Existem sapatos criados para corredores de diferentes pesos corporais. Não devemos esquecer esta variável ao comprar nossos próprios sapatos para prevenir lesões perfeitamente evitáveis.

As marcas de calçados se distinguem em três grupos diferentes de corredores, de acordo com seu peso:

  • Leve : até 75 quilos.
  • Médio : de 75 quilos a 85.
  • Pesado : a partir de 85 quilos.

Embora corredores de peso leve a médio possam ter modelos de calçados mais flexíveis ou mais leves, com sola intermediária fina e amortecimento macio, esse não é o caso de corredores pesados.

Se estivermos no terceiro grupo de corredores, procuraremos modelos com muito amortecimento, com sola intermédia grossa e dura e com salto e biqueira reforçados. Também procuraremos sapatos que possuam elementos que proporcionem estabilidade.

Flexibilidade de calçado

O ideal para qualquer corredor, independentemente do seu peso ou pegada, será encontrar a opção mais flexível para as suas necessidades.

Meça bem cada uma das características do seu tipo de pegada, seus ritmos, distâncias, peso corporal … para poder escolher o modelo mais leve e flexível sem desistir de se proteger de possíveis lesões.

Um modelo mais leve o ajudará a melhorar suas notas.

E dizemos que um sapato tem boa flexibilidade quando é dobrado pelo menos 30% atrás dos dedos.

Ou seja, se você é pronador, você pousa no calcanhar, treina na cidade e tem peso médio e fica em dúvida entre duas opções que se adequam às suas necessidades, escolha sempre a opção mais flexível.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Faça o primeiro comentário a "Dicas para escolher o tênis de corrida certo"

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*